Estado de São Paulo apresenta a relação renda e gasto mais negativa do país

Moradores de SP recebem 19% menos do que gastam
20 julho 2021
gastos noe stado de sao paulo durante a pandemia
diretor
Elen
Wedemann

General Manager, Brasil

Entre em contato

O Estado de São Paulo apresenta a relação renda/gastos dos domicílios mais negativa do Brasil. O Domestic View analisou sete áreas no que se refere a despesas que impactaram o bolso durante a pandemia em 2020, incluindo alimentação, moradia, serviços públicos, higiene pessoal e limpeza.

Tanto na Grande São Paulo quanto no interior do estado, a renda média mensal ficou 19% menor do que os gastos.

- Grande São Paulo: receberam R$ 1.444 e gastaram R$ 1.775, sendo que 53% dos lares receberam auxílio governamental e 48% não

- Interior de São Paulo: receberam R$ 1.464 e gastaram R$ 1.807, sendo que 47% dos lares receberam auxílio governamental e 53% não

Os lares com auxílio governamental gastaram mais com alimentos básicos, enquanto os sem priorizaram indulgência e frutas, legumes e verduras (FVL). Na Grande São Paulo, nos lares que receberam o auxílio, o consumo de carnes, aves, ovos e peixes representou 30%, seguido pelo de FLV, com 15%, salgadinhos e doces (8%) e pratos congelados prontos (5%). Já no interior esses percentuais foram 31%, 15%, 9% e 5%, respectivamente.

Análise Brasil

Considerando o Brasil todo, o estudo indica que 67% dos lares brasileiros estão endividados, e esse número sobe para 69% se considerarmos somente as classes C e DE. 

O consumo de alimentos e bebidas dentro do lar, higiene e limpeza caseira representaram quase 60% dos gastos nas classes DE em 2020, enquanto despesas em lazer, habitação e bebidas dentro de casa, ficaram concentradas nas classes AB.

As classes DE foram mais impactadas com gastos com habitação, passando de 18% em 2019 para 22% em 2020, e no setor de alimentação aumentaram o consumo de frutas, legumes e verduras, igualando esses gastos aos das classes AB.

Ainda no setor de habitação, o estudo aponta um importante movimento da classe DE migrando do aluguel para o financiamento, passando de 5% dos gastos em 2019 para 12% em 2020, reflexo de juros baixos e taxas atrativas para aquisição de moradia própria ou para investimento, que levaram a um aumento do mercado de financiamento imobiliário em 2020. Enquanto isso, as classes AB diminuíram gastos com trabalhadores doméstico (-3 p.p. em relação a 2019) e com manutenção/ reforma (-8 p.p.).

O aluguel de imóveis representou ¼ dos gastos de quase 17% das famílias no ano passado, principalmente das classes CDE. Os lares das classes AB e DE que pagam aluguel diminuíram gastos com alimentação e priorizaram outras cestas de consumo, como bebida alcoólica e artigos de limpeza nas classes AB, e higiene pessoal e FLV (frutas, legumes e verduras) nas classes DE. A classe C foi a única que manteve os gastos com alimentação, mesmo pagando aluguel, com destaque para doces, salgadinhos e pratos prontos congelados.

Entre os gastos com serviços públicos, energia elétrica foi o que mais pesou no bolso do brasileiro durante 2020. As classes mais baixas foram as mais afetadas, chegando a uma variação de 30% em relação a 2019.

O estudo Kantar Domestic View entrevistou de maneira online 5.779 lares no final de 2020. A amostra representa 57 milhões de lares brasileiros.

Entre em contato